Advanced search options

Advanced Search Options 🞨

Browse by author name (“Author name starts with…”).

Find ETDs with:

in
/  
in
/  
in
/  
in

Written in Published in Earliest date Latest date

Sorted by

Results per page:

You searched for +publisher:"Universidade do Estado do Rio de Janeiro" +contributor:("Andreia Guerra de Moraes"). One record found.

Search Limiters

Last 2 Years | English Only

No search limiters apply to these results.

▼ Search Limiters


Universidade do Estado do Rio de Janeiro

1. Elika Takimoto. O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?.

Degree: PhD, 2013, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Ao contrário do período precedente de criação da chamada ciência moderna, o século XVIII parece não desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento da física. Na visão de muitos autores, o século das luzes é considerado como uma fase de organização da mecânica que teve seu coroamento com as obras de Lagrange, imediatamente precedidas por Euler e dAlembert. Muitos autores afirmam que na formulação da mecânica racional houve uma eliminação gradual da metafísica e também da teologia e que o surgimento da física moderna veio acompanhado por uma rejeição da metafísica aristotélica da substância e qualidade, forma e matéria, potência e ato. O ponto central da tese é mostrar que, no século XVIII, houve uma preocupação e um grande esforço de alguns filósofos naturais que participaram da formação da mecânica, em determinar como seria possível descrever fenômenos através da matemática. De uma forma geral, a filosofia mecanicista exigia que as mudanças observadas no mundo natural fossem explicadas apenas em termos de movimento e de rearranjos das partículas da matéria, uma vez que os predecessores dos filósofos iluministas conseguiram, em parte, eliminar da filosofia natural o conceito de causas finais e a maior parte dos conceitos aristotélicos de forma e substância, por exemplo. Porém, os filósofos mecanicistas divergiam sobre as causas do movimento. O que faria um corpo se mover? Uma força externa? Uma força interna? Força nenhuma? Todas essas posições tinham seus adeptos e todas sugeriam reflexões filosóficas que ultrapassavam os limites das ciências da natureza. Mais ainda: conceitos como espaço, tempo, força, massa e inércia, por exemplo, são conceitos imprescindíveis da mecânica que representam uma realidade. Mas como a manifestação dessa realidade se torna possível? Como foram definidos esses conceitos? Embora não percebamos explicitamente uma discussão filosófica em muitos livros que versam sobre a mecânica, atitudes implícitas dessa natureza são evidentes no tratamento das questões tais como a ambição à universalidade e a aplicação da matemática. Galileu teve suas motivações e suas razões para afirmar que o livro da natureza está escrito em liguagem matemática. No entanto, embora a matemática tenha se tornado a linguagem da física, mostramos com esta tese que a segunda não se reduz à primeira. Podemos, à luz desta pesquisa, falarmos de uma mecânica racional no sentido de ser ela proposta pela razão para organizar e melhor estruturar dados observáveis obtidos através da experimentação. Porém, mostramos que essa ciência não foi, como os filósofos naturais pretendiam que assim fosse, obtidas sem hipóteses e convenções subjetivas. Por detrás de uma representação explicativa e descritiva dos fenômenos da natureza e de uma consistência interna de seus próprios conteúdos confirmados através da matemática, verificamos a presença da metafísica.

Unlike the period of creation of the so-called modern science, the eighteenth century seems not to play a key role in the development of physics. In the view of many authors, the…

Advisors/Committee Members: Penha Maria Cardozo Dias, Gerard Emile Grimberg, Andreia Guerra de Moraes, Edgar da Rocha Marques, Antonio Augusto Passos Videira.

Subjects/Keywords: Philosophy; Mechanics; Eighteenth century; Metaphysics; Matemática ; METAFISICA; Filosofia moderna; Século XVIII; Filosofia; Metafísica; Mecânica; Mathematics

Record DetailsSimilar RecordsGoogle PlusoneFacebookTwitterCiteULikeMendeleyreddit

APA · Chicago · MLA · Vancouver · CSE | Export to Zotero / EndNote / Reference Manager

APA (6th Edition):

Takimoto, E. (2013). O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?. (Doctoral Dissertation). Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Retrieved from http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6990 ;

Chicago Manual of Style (16th Edition):

Takimoto, Elika. “O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?.” 2013. Doctoral Dissertation, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Accessed October 19, 2019. http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6990 ;.

MLA Handbook (7th Edition):

Takimoto, Elika. “O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?.” 2013. Web. 19 Oct 2019.

Vancouver:

Takimoto E. O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?. [Internet] [Doctoral dissertation]. Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2013. [cited 2019 Oct 19]. Available from: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6990 ;.

Council of Science Editors:

Takimoto E. O que há de metafísica na mecânica do século XVIII?. [Doctoral Dissertation]. Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2013. Available from: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6990 ;

.